domingo, 5 de junho de 2011

Japan Station #4

Olá a todos, acharam que eu tinha esquecido de vocês, de jeito nenhum. As coisas estão um pouco corridas por isso precisei dar uma sumida. Hoje não haverá muitas noticias porque não tive muito tempo essa semana para procura-las portanto ficarei devendo pra vocês noticias sobreo mundo pop. Mas semana que vem tentarei postar mais algumas coisas. Andei tendo algumas idéias que vou tentar executa-las a partir da semana que vem. Então aguardem por novidades na minha coluna. Vamos ao que interessa, por que ja estou caindo de sono.

Assita online ou baixe os pvs da banda Abingdon Boys School (ler mais).

Noticias sobre o novo album NoGod (ler mais).

Baixe o novo single da banda Lin, Flowers Bloom (ler mais).

Baixe o novo single do the GazettE, Vortex (ler mais).



Pv da single Vortex ja disponivel.

Baixe o novo single da banda Vistlip, Sindra (ler mais).

Baixe o single da banda Golden Bomber, Boku Quest (ler mais).

Koda Kumi esta filmando um novo video clipe (ler mais).

Como eu disse não tenho muitas noticias essa semana.
Vou ficando por aqui até +.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

AniManga Mania

Olá a todos! Aqui é o Kyon e esta é mais uma edição do AniManga Mania. Hoje teremos o terceiro dos quatro textos sobre antologias de mangá, onde falarei sobre as antologias nos anos 90 e no século 21 no Japão. E apresentarei o anime Romeo x Juliet do estúdio Gonzo e sobre o mangá MPD PSYCHO. Antes de começar o texto convido a todos a lerem as outras colunas do blog Sweet Japan e a fazerem seus protestos contra sociedade atual e tudo mais na área Reclame! do blog. Para quem não leu os textos anteriores do AniMangá Mania inclusive os sobre antologias de mangá, podem fazê-lo clicando aqui.

Antologias de Mangá: Os anos 90 e
o início do século 21 no Japão.
No fim dos anos 80 e início do anos 90 os mangás ganhavam cada vez mais força fora do Japão e as primeiras antologias começavam a ser publicadas no ocidente (tratarei mai disso no último texto sobre antologias de mangá). Em contrapartida havia um certo declínio nas publicações Japonesas, em parte devido aos movimentos anti-mangás que surgiram, em parte devido a crise criativa que muitos autores enfrentavam e em parte devido a internet e os video games que acabavam ocupando um bom tempo de uma grande parte do público adolescente que liam de mangás. Além disso, o mercado de novels começava a crescer e comer mais uma fatia do público das antologias de mangás, embora em menor escala. Focarei aqui a discutir um pouco sobre a crise criativa e deixarei os movimentos anti-mangás para uma postagem futura.

A expansão do mangá e a criação de inúmeros gêneros nos anos 70 e 80 culminaram em um grande e variado número de publicações, mas por outo lado era evidente o sucesso de certas antologias voltadas a um público específico. As antologias de mangás shounen eram evidentemente a mais famosas e com isso um grade maioria dos novos autores e autoras tentavam publicar nestas revistas apesar de que ainda havia uma boa demanda de autores e autoras nas revistas dos outros gêneros. No fim dos anos 80 e início dos anos 90 se via publicações dos mais diversos tipos nas grandes antologias o que culminou em uma crise criativa quando chegavam ao fim os grandes títulos destas e que iria ser evidente em meados dos anos 90 com o fim da era de ouro da Shounen Jump causada pelo término de Dragon Ball e Slam Dunk que eram as principais obras da revista.

Para se ter uma idéia, a vendagem semanal da Jump antes do fim de Dragon Ball era entre 6 a 7 milhões, depois do fim de Dragon Ball ela caiu para uma média de 4 a 5 milhões, ou seja, em poucas semanas a Jump perdeu de 2 a 3 milhões de leitores. As tiragens de outras revistas tanto shounens quanto de outros gêneros começaram a perder fôlego e a solução encontrada pela Shueisha (Editora da Shounen Jump) e por várias outras editoras foi a criação e proliferação do famoso sistema de questionários que por um lado acabou acarretando em uma espécie de barreira criativa para os mangakas, pois cada vez era mais evidente o que interessava a grande massa dos leitores das antologias e com isso a necessidade de muitos mangakas terem de se adequar a estes interesses em vez de produzir obras totalmente originais. Com isso ocorre o surgimento dos famosos clichês de muitos estilos de mangá.

Para o shoujo mangá e seus derivados, como jousei e bl (boys love) os anos 90 foram marcados por uma diminuição de números de autores e autoras destes gêneros, mas com o problema enfrentado pelo os shounen mangá houve um pequeno crescimento do número de leitores no fim da década principalmente com relação as publicações um pouco mais maduras, no entanto este aumento foi melhor percebido na vendagem de encadernados do que de antologias. Já os seinen, o gekigá, o ero-mangá e as obras mais undergrounds desde o fim dos anos 80 enfrentavam uma forte alteração de estética do mercado. O ero-mangá, principalmente por causa dos movimentos anti-mangá e ao quase fim dos mangás undergrounds, foram delimitados a um público muito restrito. O mangá undergound, antes cultuado em revistas como COM e Garo, tiveram um grande declínio, parte do seu material virou seinen e parte foi extinto junto ao fim da Garo em 2002. O seinen ganhava força com o aumento da variedade de histórias advindas parte dos mangás undergrounds e parte dos gekigás que quase que se limitaram a mangás sobre salary man (Trabalhadores), no entanto isto não foi refletido nas vendagens de revistas deste estilo que não tiveram uma grande alteração.

O fim dos anos 90 e início do século 21 nos apresenta um panorama de mangás diversificado, mas muito voltado para publicidade de certos produtos, apesar de em geral haver o crescimento da valorização de estilos como jousei (em parte devido as adaptações em live action) e dos mangás 4-koma que começaram a ganhar força neste início de século e com a crescente idéia do dito "anime publicitário" que muitas vezes é utilizado para elevar a vendagem do mangá, é evidente também que surgem cada vez mais mangás de histórias adaptadas de livros e jogos e antologias especializadas neste tipo de mídia.

Hoje o Japão ainda possui uma grande variedade de antologias de mangás dos mais diversos estilos e para os mais diversos públicos, mas para manter o mercado houveram muitos sacrifícios por parte de Editoras. O mercado se tornou cada vez mais difícil para autores com idéias inovadoras, porém quando um autor destes consegue vencer as barreiras e fazer sucesso vemos um culto e um cuidado cada vez maior para com estas obras e a criação de um grande número de produtos referentes a elas, o que é bastante positivo para os fãs. Uma estabilidade maior vem sendo vista nas antologias e acredito eu que em geral isto é algo que vem se mostrando bom para nós leitores de mangá.

No último texto falarei sobre as antologias de mangá fora do Japão e um pouco sobre o projeto nacional, Ação Magazine.

Indicação de anime

Romeo x Juliet

Em um castelo em chamas, uma pequena princessa e sua acompanhante correm do perigo. Apesar da princessa não querer deixar seus pais a acompanhante e um cavaleiro a levam embora do castelo, enquanto que o rei e a rainha são assasinados e o trono de Neo Verona é tomado pelo Lorde Leontes Montéquio. Anos depois vê-se um jovem, chamado Odin, vestido completamente de vermelho e que luta contra os absurdos do governo de Lorde Montéquio. Um guerreiro sozinho, mas que conta secretamente com o apoio de grande parte das classes mais pobres de Neo Verona. Seu nome ficará para sempre marcado na história como Akai Kaze, o Tufão vermelho, um tufão que varrerá as atrocidades do reinado dos Montéquio para fora de Neo Verona no futuro, mas que no momento está sendo perseguido pelos guardas do reino. Odin é na verdade Juliet, uma linda garota que não entende ao certo porque deve se vestir de garoto, mas que segue as recomendações de Conrad, seu protetor.

Em certas ocasiões Odin costuma sair como Juliet, e em uma destas saídas acaba por conhecer Romeo, um jovem nobre pelo qual Juliet se apaixona e vice-versa, mas um terrível segredo irá separar os dois, e pode ser que o sonho dos dois viverem juntos nunca possa vir a ser concretizado, pois no aniversário de 16 anos de Juliet um segredo é revelado.

A série animada Romeo x Juliet foi produzida pelo estúdio Gonzo e foi ao ar de abril a setembro de 2007. Inspirado na famosa obra de William Shakespeare, o anime se passa em um continente fictício chamado Neo Verona e foca no romance entre Romeo e Juliet e nas dificuldades que vivenciam por serem de famílias rivais. Além disso, temos como pano de fundo uma história heróica focada na tentativa de retirar do poder o odioso Lorde Montéquio. Um anime divertido, dramático, empolgante e muito inteligente. Considero a última grande obra do estúdio Gonzo e recomendo a todos. Fiz uma análise mais detalhada da série no blog Anime Portfolio e o texto pode ser acessado clicando aqui.

Indicação de Mangá

MPD PSYCHO

Conheci este mangá ao acaso em um evento, achei curiosa a capa e já havia ouvido falar do mesmo e tive a oportunidade de tê-lo através de scanlators, mas apenas comecei a ler ao comprar a edição brasileira publicada pela Panini.

Em MPD PSYCHO temos um herói, um anti-herói e um vilão todos em um mesmo corpo, uma história que utiliza ciência, psicologia, política e assassinatos para lhe deixar cada vez mais interessado em descobrir os mistérios. A história começa quando o detetive Yousuke Kobayashi recebe um estranho pacote que parece está relacionado ao caso de um esquartejador que está investigando e a pista o leva a sua namorada que teve seus membros decepados, neste momento ele muda de personalidade e se transforma no psicopata Shinji Nishizomo que corre atrás do entregador do pacote e o mata. Após isso ele passa a assumir a personalidade de Amamiya Kazuhiko, um frio detetive que não se importo com o que ocorreu contanto que descubra os mistérios em que estão envoltas as estranhas investigações que faz. No entanto Amamiya Kazuhiko, Shinji Nishizomo e Yousuke Kobayashi se tornarão o foco principal de um mistério que envolve o futuro de toda nação japonesa.

Um mangá cheio de imagens chocantes, com uma arte muito bonita e com uma trama envolvente, apesar de complicada. Você se torna o espectador de uma trama que pode mudar o futuro do japão e talvez do mundo, mas isso pode não ser uma coisa muito boa. Recomendo este mangá a todos que gostam de histórias de mistérios e com tramas mais pesadas, obviamente que a censura de 18 anos faz jus ao mangá, mas se você é do tipo que tem estômago forte e quer conhecer um seinen extremamente interessante, MPD PSYCHO é um mangá quase que obrigatório.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

#Especial Hijikata Toshizou

Oi, pessoas! Como vão vocês? Espero que bem. Antes de mais nada, quero explicar o motivo de não ter escrito minha coluna na sexta, como de costume. Andei um pouco atarefada na semana passada com algumas provas de vestibular eeeeeee... preparando um post especial. Hoje é dia 31 de maio, aeae! Aí alguém pergunta "Certo, Nana, e daí?" e eu responderei "E daí que seria o aniversário de 176 anos do Hijikata". Antes que me venham com mais uma pergunta retórica, vou explicar a postagem de hoje. Ela será dedicada a alguém muito, mas muito especial que, hoje, não está mais entre nós (se estivesse, seria o velho carquético mais lindo do mundo), mas que deixou sua marca eterna na história japonesa. Eu estou falando de Hijikata Toshizou!

Hijikata Toshizou
Para entender quem foi Hijikata Toshizou é necessário mergulhar mais à fundo na história japonesa, em especial no período do Shogunato. O que foi o Shogunato e em que período da história se deu? O Shogunato foi um regime feudal que deu na chamada Sengoku Jidai (época feudal japonesa), onde Shoguns governavam em nome do imperador, que se isolava no palácio de Kyoto, capital do Japão na Época, por conta das diversas guerras civis internas que se davam por disputas de terra e poder. A maioria dos Shoguns também eram samurais, e tinham algum parentesco com a família Imperial. Foi nesse contexto que o Shinsengumi surgiu, mas um pouco para o final do período Bakufu (termo utilizado pra denominar o conjunto de governos de shoguns). Após 300 anos de controle rígido do Shogunato no país, na época completamente isolado do resto do mundo, o próprio governo decidiu abrir às portas para os estrangeiros para que entrassem, para que o Shogunato pudesse vencê-los, mais tarde, usando suas próprias técnicas. Mas nem todo mundo concordou com essa abertura. Na capital Kyoto começaram a surgir grupos contra e à favor do Shogunato, e os mais conhecidos foram os clãs Chonchuu e Satsuma, que eram contrários à idéia de abertura.
Agora que entendemos um pouco do contexto da época, vejamos como o Shinsengumi, e conseqüentemente Hijikata, entraram na história. Havia um dojo de Kenjutsu no distrito de Tama, perto de Edo, administrado por Kondou Isami. Seus três principais alunos eram Hijikata Toshizou (OLHA ELE AÍ <3), Souji Okita e Genzaburou Inoue. Quando souberam o que estava acontecendo em Kyoto, deixaram o dojo nas mãos do irmão mais novo de Hijikata e partiram para a capital. Chegando lá, foram alistados por Hachirou Kiyokawa, que, apesar de declarar publicamente que era à favor no Shogunato, na verdade, era contra. Seu objetivo era treinar samurais para atuarem do lado do Shogunato, mas que depois atuassem em seu favor contra o Bakufu. Ele planejava atacar o alojamento dos estrangeiros em Yokohama para que a imagem do Shogunato caísse perante todos. O governo descobriu e enviou assassinos para executar Kiyokawa antes que ele colocasse seu plano em prática. Depois disso, Kondou e seus alunos insistiram para auxiliar o Bakufu, e assim formou-se o Shinsengumi com treze membros (além dos citados, também ingressaram amigos que visitavam o dojo de Kondou, como Harada Sanosuke e Shinpachi Nagakura). Eles passaram a usar o kanji "makoto", sexto símbolo do código de honra dos samurais de Musashi que tem por significado "fidelidade", como sua bandeira e vestiram uniformes azul-ciano com detalhes em branco. Graças a Hijikata e Kondou, o Shinsengumi se tratava de um grupo de samurais muito honrados. Os dois eram muito apegados ao Bushido, e por isso mandavam decapitar, assasinar ou cometer sepukku (o ato do suicídio para lavar a alma) a qualquer membro que fosse apanhado inflingindo o código. Sem falar que aumentaram a dificuldade dos testes de admissão.
O Shinsengumi havia prendido um membro importante do Ishin Shishi (o lado oposto ao Shogunato), mas não conseguiu muito mais que seu nome verdadeiro depois de horas de interrogatório. Hijikata, como não era daqueles com muita paciência, submeteu-o a uma tortura muito mais cruel e arrancou dele o plano dos monarquistas.

Por volta do dia 20 de Junho de 1864, os monarquistas iriam escolher uma noite com bastante vento para atear fogo em Kyoto. Com a confusão que ficaria na capital, eles panejavam matar os membros mais importantes do Shogunato. Por fim, seqüestrariam o Imperador e o levariam ao feudo de Choushuu, um dos principais clãs contra o Shogunato.

Estátua do Hijikata na região de Hino
Eles se reuniriam na Hospedaria Ikeda, mas nem desconfiavam que o Shinsengumi já havia descoberto seus planos. Como o Shinsengumi agia sob as ordens do comissariado militar de Kyoto, esperaram. Depois de duas horas sem reforço, decidiram agir sozinhos e invadiram a hospedaria. Durou horas o combate e os monarquistas foram massacrados. Esse episódio ficou conhecido como "Incidente da Hospedaria Ikeda" ou "Ikeda-ya no Hen". Depois dessa atuação, o Shinsengumi passou a ser famoso e reconhecido pelas pessoas, principalmente pelo próprio Bakufu. No tempo seguinte, vários membros morreram, alguns por tentar deixar o Shinsengumi (que era proibido), outros por causar problemas demais. Alguns foram assassinados por Hajime Saito, enquanto outros cometeram o sepukku.
Mais tarde, ocorreu uma aliança entre os clãs Chonchuu e Satsuma, e o Shogun Tokugawa devolveu o poder ao Imperador, que assumiu oficialmente o Japão depois disso. A Guerra Boshin veio em seguida, marcando o fim da Era Tokugawa e o início da Era Meiji. A primeira batalha, de Toba Fushimi, matou vários membros do Shinsengumi, inclusive Inoue Genzaburou, aquele da primeira geração. Kondou foi preso e decapitado em 1868, e Souji Okita morreu de tuberculose no mesmo ano. Harada e Shinpachi foram expulsos do Shinsengumi depois de uma discussão com Hijikata (ai ai <3). Ninguém sabe o que houve com Harada, mas Shinpachi Nagakura sobreviveu até depois do fim do Shinsengumi. Saito sobreviveu e casou-se com uma moça do feudo de Aizu, mudando seu nome, mais tarde, para Gorou Fujita. Em Hokkaido, o Shinsengumi encontraria seu fim. Lá, Hijikata se refugiou com os homens que sobraram do antigo Shinsengumi. A princípio, eles esmagaram todas as expedições que o governo Meiji enviou, mas não teve jeito. Em 20 de junho de 1869, Hijikata morreu por tiros de metralhadora. E foi só aí que o Shinsengumi foi dado como acabado.
Conta-se que Hijikata tinha uma personalidade muito forte. Era conhecido como o "vice-capitão demônio" por conta de suas atitudes em relação às torturas aplicadas aos prisioneiros. Ele lutou até o fim da vida pelo ideal que acreditava, de que o Japão pudesse crescer. Atualmente, ele possui um museu em Tóquio, administrado em grande parte por sua sobrinha bisneta, e várias estátuas pela cidade. Ele foi, se dúvida, um homem importante pra história do Japão, que apesar de ter morrido, deixou uma marca eterna na história do Japão.

Pra quem quer conhecer um pouco da história (e não tem paciência pra ler um textão gigante como esse), recomendo alguns animes como Rurouni Kenshin, Hakuouki e Gintama. O Shinsegumi aparece muito nesses animes (O Hijikata, em especial, aparece bastante em Hakuouki Shinsengumi Kitan e tem grande destaque).

Hijikata é meu herói. É alguém que admiro profundamente, em quem acredito. Gosto de imaginar que existiram (e talvez ainda possam existir) pessoas que realmente deram suas vidas pelo que acreditavam, apesar de todas as desvirtudes. Por isso, hoje, eu peço que dediquem 5 minutos do seu dia para fazer uma curta oração. Não importa de que religião você seja, só ore. Ou faça um minuto de silêncio. Hoje é o aniversário do Hijikata, então ele merece essa homenagem, por tudo o que ele fez. Apesar de o Japão ter acabado caindo naquilo pelo qual ele lutava contra, o que teria sido do país sem ele? Ou o Shinsengumi? As batalhas, influências, exemplos? Pense~ Fico por aqui, amados. Espero que tenham gostado dessa postagem. Até sexta, queridos!

quarta-feira, 25 de maio de 2011

AniManga Mania

Olá aqui é o Kyon novamente apresentando o AniManga Mania, desta vez falarei um pouco sobre as adaptações de animê e mangá em Live action, sobre a mangaka Masami Tsuda, sobre a animação Baccano! e sobre o mangá Spicy Pink. Espero que gostem desta edição e se se esta for a primeira vez que ler a coluna, convido a ler os demais texto e ficaria muito feliz se comentasse. Não esqueçam de passar na sessão Reclame! e de ler as demais colunas do Sweet Japan. Tem muito conteúdo bacana no blog além desta coluna e eu recomendo muito as demais colunas.

Adaptações de Animê e Mangá para Live Action


As animações japonesas e os mangás em geral durante muito tempo foram mídias cultuadas principalmente por um público mais jovem ou um público adulto em específico, mas nos últimos anos o público que que não se encontra nestes perfis passaram a ter um interesse maior por estas obras e em parte a causa disto são as várias adaptações de obras de animê e mangá para Live Action. Mesmo que existam histórias para públicos voltados as diversas faixas etárias e de diversos gostos é fato que adaptações de animações e quadrinhos para live action ajudaram e muito a popularização de vários títulos, por outro lado atores, atrizes, diretores, produtores e diversos outros profissionais do cinema e da televisão se tornaram famosos por trabalharem em adaptações em Live Action de animê e mangá. Mas afinal o que é esse tal de Live Action? Live Action é o termo utilizado para qualquer adaptação de obras de mídias como livros, animações, quadrinhos e games para filmes, seriados ou novelas com atores e atrizes reais. Algo bastante comum em todo mundo, mas ainda mais comum no Japão.

Em geral um grande número de j-doramas (seriados para tv japonesa) e j-filmes (filmes japoneses) são adaptações de obras de mangá e animê e estas adaptações sempre ou quase sempre possui um caráter comercial, tendo como foco vender a mídia original, vender a adaptação e muitas vezes popularizar ídolos japoneses. Muitas vezes se perde um pouco de qualidade em detrimento da utilização de ídolos que não são atores de fato, em outros casos vários ídolos se tornam bons atores e ainda existe o caso em que atores, não ídolos, se tornam bons ídolos. É difícil dizer se este caráter comercial prejudica ou ajuda estas adaptações, mas o certo é que independente deste fator muitas obras memoráveis foram bem e mal adaptadas, mas estas adaptações são cada vez mais comuns e ajudam bastante a aumentar a popularidade da obra original.

É muito comum obras shoujo ou jousei famosas se tornarem adaptações em live action, mas gêneros como seinen e shounen também já foram bem explorados. Outra prática comum é adaptar a mesma obra tanto para o cinema quando para uma série de tv, dentre algumas obras famosas que já passaram por isso temos Honey & Clover e 1 litro de lágimas que é uma obra originária de um livro, nestes casos ambos, filme e seriado, não possuem correlação, mas também é comum adaptações de seriados famosos ganharem filmes, por exemplo Hana Yori Dango e Nodame Cantabile. Existem também muitos casos de obras que vão para apenas um das mídias e em geral séries seinen costumam ser adptados apenas para filmes, enquanto que séries jousei, shoujo e shounen costumam ganhar tanto adptações para filme quanto para tv. Acredito que isso se dar pelo fato de que as séries de tv costumam fazer um sucesso maior por terem um tempo maior o que permite uma melhor adaptação da obra original e shounen, shoujo e jousei possuem um grande número de fãs do estilo o que varia muito entre séries seinen, por abordar temas ainda mais abrangentes, além de normalmente mangás seinen não possuírem tantos volumes o que os torna ideal para adaptação ao cinema.

Futuramente devo retornar a este tema de adaptações para especificar mais detalhadamente certos elementos que circulam este universo do Live Action, mas para terminar este texto recomendo 4 adaptações menos conhecidas que considero muito boas, uma para cada estilo de obra citado. Recomendo Fuma no Kojiro, uma adaptação do mangá shounen de Masami Kurumada (o mesmos autor de Saint Seiya), Adaptação para filmes do seinen Solanin, que é baseado no mangá de Inio Asano, que deve ser publicado no Brasil no segundo semestre deste ano (imagem de ilustração do texto), o dorama de Yamato Naadeshiko Shinichi Henge baseado no mangá de Tomoko Hayakawa e o dorama Kimi wa petto baseado no mangá josei de Yayoi Ogawa.


Masami Tsuda

Masami Tsuda, nascida em 9 de julho de 1970 se tornou uma mangaka durante sua época de faculdade, segundo uma entrevista fornecida ao site http://www.gainax.fr, ela estreiou após mandar diversos trabalhos a editoras e finalmente se tornou profissional após ganhar um prêmio (não consegui achar mais informações sobre este prêmio, mas suponho que seja um prêmio na editora Hakusensha). Sua maior e mais famosa obra foi Kareshi Kanojo no Jidou, ou apenas Karekano, publicado na revista Lala entre fevereiro 1996 e junho de 2005 e que conta com 21 volumes em Tankohon (versão encadernada simples).

É uma autora de Shoujo mangá com poucas obras no currículo, seu primeiro título foi Mata Ashita Mori de Aoune publicado em 1993, mas sua carreira deslanchou de vez em 1996 com o mangá Karekano. Tem estilo de arte bem peculiar para mangakas shoujo e gosta sempre de adicionar cenas cômicas a suas histórias. Embora sejam poucas a obras que publicou em relação a outras mangakas, seu nome é bastante conhecido dentro do mundo do shoujo mangá e além de Karekano outros mangás deram as caras no ocidente, como exemplo cito o mangá Eensy Weensy Monster (já comentei sobre este mangá na edição 3 do AniManga Mania). A sua arte, combinada com a história de fácil compreensão agrada também ao público masculino e parte disto parece está relacionado ao fato de ter lido muitos mangás shounens durante sua infância e adolescência.

Por fim recomendo ao leitor que tiver a oportunidade, conhecer mais obras desta autora. Atualmente ela está trabalhando no mangá Chotto Edo Made, publicado desde maio de 2008 na revista Lala.

Indicação de Animê

Baccano!

Uma casal atrapalhada que parece está tentando ganhar dinheiro com mineração, decide ir ver alguns amigos enquanto isso um trem parti e durante esta viajem diversos acontecimentos peculiares e enigmáticos estão para acontecer. Em outro lugar um grupo de mafiosos tenta viver sua vida enquanto um cientista louco tenta dar prosseguimento com sua pesquisa. Descrever atrama de Baccano! é tão complicado quanto tentar adivinhar o que vai acontecer a cada episódio, pois em vez de um ou dois, Baccano! possui cerca de 18 personagens principais divididos em vários grupos de no máximo 4 personagens e cada qual com uma história diferente que pode ou não se correlacionar com as demais. O título da obra funciona muito bem, Baccano! em italiano quer dizer Balbúrdia e é isto que a obra é uma adorável Balbúrdia e que apesar de parecer a princípio, não é nada complicado de entender ou aceitar. Baseada na light novel homônima de Ryoko Narita, teve ao todo 13 episódios exibidos no canal WOWOW entre julho e novembro de 2007 e teve também mais três episódios em OVA. Para mim Baccano é uma obra magnífica que deve ser vista e apreciada em demasia. Publiquei a tempos atrás no blog Anime Portfolio uma texto sobre Baccano! e quem se interessar por saber mais da obra pode ler o texto clicando aqui.


Indicação de Mangá


Spicy Pink

Endou Sakura é uma jovem mangaka que trabalha em exaustão por adorar o que faz, porém muitas vezes ela acaba deixando de lado o resto de sua vida. Solteira e compromissada até demais com seu trabalho não costuma sair muito a não ser com outras amigas magakas. Estimulada (quase forçada) por uma de suas amigas acaba participando de um Goukon*. E neste conhece Koreeda Iku, um cirurgião boa pinta que acabou de sair de um relacionamento.
Apesar de não se interessar a princípio, resolve sair com Iku devido a influencia de sua amiga mangaka e devido certas circunstâncias que interessam aos dois, eles acabam virando namorados por conveniência e assim começa este relacionamento curioso, divertido e que é muito bem desenvolvido. A obra é um mangá jousei de Yoshizumi Wataru, a mesma autora de Marmalade Boy e Ultramaniac que também foram publicados no brasil. Ao longo dos dois volumes acabamos conhecendo mais sobre como é, ou deve ser, a vida de uma mangaka de shoujo/jousei e como é o relacionamento dela com outras mangakas, com amigos, com sua editora, com seu ex-namorado galinha e principalmente com seu peculiar namorado atual. Em apenas dois volumes aprendemos muito sobre Sakura, sobre Iku e sobre vários outros personagens. É um tipo de jousei que leva pouco tempo para se ler e que provavelmente não é o mais interessante que leu ou lerá, mesmo assim deixa uma sensação muito boa, acaba lhe marcando e lhe deixando boas memórias.

Por hoje é só pessoal, comentem, comentem, comentem e até a próxima semana.


*Goukon - Encontro entre um grupo de mulheres e homens solteiros, organizado por um dos casais deste grupo e que serve para divertir o grupo e tentar gerar novos casais, normalmente parece ser realizado em restaurantes, bares ou karaokês

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Toire no Hanako-san


Hanako-san (ou Toire no Hanako-san, "Hanako do banheiro") é uma garota assustadora que assombra banheiros femininos de diversas escolas por todo o Japão. É uma das lendas urbanas mais populares do país, embora, assim como a Kuchisake Onna, sua origem verdadeira seja um mistério. Apesar de tantas versões diferentes dessa lenda, a aparência de Hanako-san é comum em todas elas: Uma garotinha pequena, com cabelos negros e curtos (estilo chanel), vestindo uma saia vermelha. Ela costuma ficar na terceira cabine do banheiro feminino (algumas versões especificam que o banheiro precisa estar no terceiro andar, mas não é uma característica realmente considerável) e a natureza do seu comportamento varia de região pra região. Na maioria dos casos ela costuma ser pacífica, mas sempre há algumas versões em que ela é mais violenta. Hanako-san é uma espécie de Loira do Banheiro japonesa, e claro, morena. Para invocá-la, você precisa bater três vezes na porta da terceira cabine, chamá-la e lhe perguntar alguma coisa. O mais comum é "Hanako-san, você está aí?" e se ela estiver, responderá com uma voz fraca. Se o dito cujo tiver coragem para abrir a porta, será puxado violentamente para dentro da cabine e ninguém sabe o que acontece depois.

 

A origem da Hanako-san é desconhecida. Em alguns lugares do Japão se comenta que ela morreu durante um bombardeio que destruiu o banheiro onde ela estava, outra que ela caiu da janela da biblioteca, outras ainda que ela morreu nos braços de algum parente abusivo (ou um pervertido) ao ser encontrada no banheiro ou que foi trancada lá por brincadeira e acabou morrendo. Não se sabe ao certo qual delas é verdadeira, e mesmo a história em si sofre modificações significativas dependendo da região. Por exemplo...
  1. Em Yamagata diz-se que alguma coisa terrível vai acontecer se Hanako-san falar com você em um tom de voz desagradável. Outra lenda de lá diz que Hanako-san é um lagarto de três cabeças, com três metros de altura, que usa a voz de garotinha inocente para atrair presas.
  2. Em Kurosawaiiri (Distrito de Iwate) conta-se que uma grande mão branca aparece em um buraco no chão da terceira cabine do banheiro se você dizer “terceira Hanako-san” (sanbanme no Hanako-san).
  3. No banheiro masculino de uma escola em Yokohama (distrito de Kanagawa), diz que uma mão sangrenta sai da privada se você andar em volta dela três vezes enquanto chama o nome de Hanako-san. Essa é uma das mais improváveis, já que Hanako-san costuma ficar no banheiro feminino.
  4. Hanako-san também é o nome de um possível fungo que se pega ao ralaro joelho no parquinho. Diz-se que cogumelos nascem na ferida.
Como eu mencionei antes, a Hanako-san é, em geral, inofensiva. Ela não costuma atacar as pessoas, mesmo as que entram no banheiro onde ela está, basta apenas que você não vá incomodá-la. Mas mesmo assim acabar fazendo, mostre a ela uma prova com uma nota perfeita, diz-se que isso a repele, embora o motivo seja desconhecido. Talvez ela tenha sido uma das garotas com notas maiores na escola. O que vocês acham?

quatro filmes sobre a lenda da Hanako-san, quatro versões da lenda. Como filmes japoneses da época, o orçamento para fazê-los era baixo, portanto, a qualidade não é das melhores. Mas incrivelmente, como nós sabemos da indústria cinematográfica de horror japonesa, a produção acabou ficando aterrorizante mesmo assim. Recomendo! Ela também aparece em três episódios do anime Gakkou no Kaidan, e na série, ela é pacífica e só quer ficar em seu cantinho sem ser incomodada.

 

  

Hanako-san em Gakkou no Kaidan
E aí? Quer conhecer a Hanako-san?

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Antologias de Mangá


Olá caros leitores, aqui é o seu colunista Kyon que mais uma vez apresentará assuntos voltados ao mundo dos animes e mangás, mas antes de começar a coluna AniManga Mania desta semana devo explicar o porque da falta da edição da semana passada. Na quarta-feira tive problemas pessoais para resolver e por isso estava tudo preparado para a postagem sair quinta-feira, porém o serviço do Blogger estava fora do ar, pelo menos a parte de administração, e este só voltou sábado a noite. Devido a todo esse atraso optei por postar a edição 4 apenas nesta quarta-feira, o dia correto da coluna sair.

Sobre esta edição apresento o primeiro texto sobre a história das Antologias de Mangá e por ser um pouco longo não teremos a texto sobre uma personalidade da indústria das animações ou mangás, mas ainda temos as indicações de anime e mangá da semana, que serão respectivamente os títulos Tonari no Yamada-san e a versão em mangá de Hoshi no Koe. Antes de começar os textos relembro mais uma vez a sessão Reclame! do Sweet Japan. O local ideal para que você faça suas reclamações e indignações com a atual realidade que vivemos.

Antologias de Mangá: Do início aos anos 80


A história das revistas com foco no mangá começam em 1914 quando surge a revista Shounen Club da editora Kodansha, voltada a um público masculino infanto juvenil, e posteriormente as revistas Shoujo Club, volta a um público feminino infanto juvenil e a Younenn Club voltada a leitores mais velhos, porém estas revistas apresentavam uma série de outros materiais além de mangás e apenas em 1947 surge a primeira revista que podemos chamar de antologia de mangás, a Manga Shounen da Kodansha com publicação mensal. Ela abriria novos caminhos para toda uma geração de famosos mangakas dentre eles o "Deus dos Mangás", Osamu Tezuka. Nos anos 50 surgiriam novas publicações compostas totalmente de mangas.

Em 1954 surge a primeirs antologia shoujo, a Nakayoshi da Kodansha e em 1955 surge a Ribon da Shueisha. Já em 1956, com o surgimento do termo Gekigá ("Imagens dramática", termo usado para mangás mais realistas), criado por Yoshihiro Tatsumi, é apresentada a primeira revista com caráter mais maduro, voltado a adolescentes e jovens adultos, a revista mensal Manga Times da editora Houbunsha. Já no fim dos anos 50 e começo dos anos 60 surgem as primeiras antologias semanais. Em 1959 a Kodansha lança a Shounen Magazine, no mesmo ano é lançado a Shounen Sunday da Shueisha e em 1963 surgiria a Shonen King da editora Shounen Gahousha. Ainda em 1963 surgem as primeiras publicações semanais de shoujo mangá, a Margaret da Shueisha e Shoujo Friend da Kodansha. É importante destacar que em 1962 as revistas Shounen Club, Shoujo Club e Younenn Club tiveram seu fim.

Com o começo das séries de animação televisivas houve um "boom" dos mangás e era cada vez maior a tiragem das principais antologias. Em 1964 surge a famosa revista Garo, voltada para publicações mais adultas e undergounds. Ela se tornaria o berço do seinen moderno. Já em 1967 Tezuka lança sua revista COM que visava publicar séries de autores mais novos e com as mais diversas estéticas, missão que durou até 1972 quando a publicação foi finalizada. Ainda em 1967 surgem a Manga Action da Futabasha e a Young Comic da Shueisha e em 1968 a Big Comic da Shogakukan, publicações mainstream, voltadas a públicos de diversas faixa etárias. E finalizando a década de 60, em 1968 surge a antologia que se tornaria a mais famosa de todos os tempos, a Shounen Jump da Shueisha.

Os anos 70 é marcado para os fãs de anime e mangá pela aparição do primeiro Comic Fest em 1975 e pela criação das publicações informativas para o público de fãs de anime, mangá e games, como a Animage da Tokuma Shouten. Para as antologias de mangás podemos destacar a criação da Erotopia em 1973, a primeira publicação voltada especificamente para o ero-mangá (Mangá Erótico). Em 1977 surge a CoroCoro Comic da Shogakukan, uma antologia voltada inteiramente para crianças e em 1979 surge a June da Shueisa, a primeira antologia de mangás yaoi (Mangás com temática relacionada homossexualismo masculino, estilo que surgiu do boys love que por sua vez surgiu do shoujo, sendo assim é um estilo voltado principalmente para garotas).

No fim dos anos 70 e início dos 80 surgem as publicações para o público adulto, Youg Jump da Shueisha, Morning da Kodansha e Big Comic Spirits da Shogakukan. em 1980 também surge a primeira revista josei (estilo temático voltado para mulheres adultas), a Be in Love da Kodansha. É importante destacar também que com a publicação do livro Manga Keizai no Nyumon de Shoutaro Ishinomori surge nos anos 80 um novo estilo de mangá que frequentemente apareceria em publicações gekigá, o Johou Mangá, o mangá informativo.

Daqui a duas semanas comentarei sobre os anos 90 e o século 21 para as antologias de mangás e vocês conhecerão mais sobre o fim da época de ouro da Shounen Jump. Devo informar também que a principal fonte utilizada para este texto foi o livro "O grande livro dos Mangás" de Alfons Moliné, publicado no brasil pela editora JBC.

Tonari no Yamada san
(Meus vizinhos os Yamada)

A família Yamada, é uma simples família de classe média baixa que leva sua vida com calma, mas que como toda família tem seus momentos únicos. Composta por Nonoko, uma garotinha de 5 anos que normalmente está sorrindo, Noboru, um jovem de 13 anos que está conhecendo as dificuldades do começo da adolescência e aborrecência também, Takashi, o trabalhador e um pouco medroso, pai de Noboru e Nonoko, Matsuko a mãe de Nonoko e Noboru que é a típica dona de casa japonesa, Shige a mãe de Matsuko que faz o típico papel de sogra (japonesa) e Pocchi, o pouco carismático cachorro da família. Ao longo do filme vemos os Yamada passando pelas mais cômicas situações do cotidiano. O filme é de 1999, foi produzido pelo estúdio Ghibli e dirigido por Isao Takahata, o co-fundador do estúdio e diretor de clássicos como Hotaru no Haka (O túmulo do vagalumes) e Ponpoko (A guerra dos guaxinins).
O filme tem um traço bem peculiar que lembra desenho de criança do primário e a provável explicação para tal é o fato de a história ser em boa parte contada por Nonoko. De longe é o filme mais engraçado do estúdio Ghibli e conta com uma trilha sonora igualmente divertida. É difícil não ver o filme e gargalhar. Além disso, há sempre o lado da crítica social tão presente nos filmes de Isao Takahata. Sem dúvida, todos que se consideram fãs dos filmes do estúdio Ghibli tem que ver Tonari no Yamada-san, que também é recomendadíssimo a todos os públicos.

Hoshi no Koe
(A voz das estrelas)
O mangá é uma adaptação da animação homônima de Makoto Shinkai criada em 2002, este também é roteirista do mangá. A obra possui apenas um volume de Tankohon, tem os desenhos de Mizu Sahara e foi publicado em 2004 da revista Aftermoon. Nesta obra é contada a história de dois amigos que foram separados por anos luz de distância. Nagamine Mikako é uma garota que foi selecionada para fazer parte do projeto Tharsian que visa perseguir os alienígenas chamados Tharsian, a fim de obter o conhecimento destes. Noboru Terao é um colegial que foi separado de sua amiga Nagamine e que não sente muito interesse por sua vida atual. Ambos se comunicam através de mensagens de celular, mas a medida que Nagamine se distancia do planeta Terra, as mensagens começam a demorar cada vez mais, o que deixa ambos confusos sobre real preocupação e interesse que o outro tem.
Uma história que começa com uma amizade e termina... um mangá bem bacana que mostra que mesmo a distância e tempo pode ser vencido quando realmente se gosta de alguém. Destaque para belíssima arte que introduz perfeitamente o clima de romance, junto com sci-fi, junto com mecha, junto com realidade. Uma obra muito bonita e que deve ser apreciada pelo máximo de pessoas possível.


quarta-feira, 4 de maio de 2011

Character Designer

Yo! aqui é o Kyon e este é mais um AniManga Mania a coluna semanal em que, este que vos escreve, transmite algumas informações e dicas sobre as animações e os quadrinhos japoneses. Esta semana explicarei um pouco o que é e o que faz um Character Designer de anime, falarei um pouco sobre o mestre Shotaro Ishinomori e sugiro a animação de Seto no Hanayome e o mangá shoujo Eensy-weensy monster. Espero que curtam o texto desta semana e aguardo comentários. Ah! e não esqueçam de acessar a área Reclame!

O Character Designer de anime

Antes de mais nada devo avisar que a idéia principal é falar dos profissionais que cuidam do design dos personagens por isso usei o termo Character Designer e não Character Design. A priore os Character Designers são os responsáveis por criar o design dos personagens de um anime, porém o trabalho não se resume a desenhar apenas uma imagem, pois eles também são responsáveis por criar as diversas faces dos personagens, além do posicionamento e a forma como deve está nas diversas posições que assumirá durante a animação, portanto o mais correto seria dizer que o caracter designer é responsável por criar a imagem que os personagens terão em cada cena o que inclui a expressão mais adequada para que o personagem transmita o sentimento correto.

Como muitas animações são baseadas em obras como manga, light novels e jogos em que os personagens já possuem uma imagem definida, faz parte do trabalho do Character Designer adaptar da melhor forma o personagem para animação, o que nem sempre significa manter o design original e é bem comum vermos personagens de anime com design diferente do que possui na obra em que o anime foi inspirado e como toda adaptação, há sempre aqueles que questionam estas alterações, por isso é importante que um caracter designer dose muitas vezes seu trabalho para que possa tentar agradar a gregos e troianos, lembrando sempre que o foco é que o design esteja de acordo com o que a animação deve transmitir.

Muitas vezes a alteração de alguns designs de personagens em relação a obra original é feito para tentar melhorar ou adaptar o design original afim de que fãs de anime possam identificar mais facilmente cada personagem. Um caso recente a ser citado é do anime Fairy Tail em que o design dos personagens do anime é levemente diferenciado do manga, pois no manga há uma semelhança visível do design dos personagens com relação ao da obra One Piece e para tornar mais diferenciado os personagens foi optado por esta alteração. Outro caso interessante de ser destacado é da adaptação para anime do jogo Visual Novel Umineko no Naku Koro Ni em que a diferença do character design do jogo em relação ao anime é considerável, o que por uma lado desagradou boa parte dos fãs da Visual Novel.

Um Character Designer de um anime é responsável por criar a imagem do personagem que ficará marcado na memória de muitos fãs e é importante que reconheçamos sua importância para as animações, afinal são Character Designers como Kazuya Hisada e Noboru Koizumi em One Piece, Minoru Maeda e Yuji Ikeda em Dragon Ball, Shuichi Shimamura em Honey & Clover, Yoshiyuki Sadamoto em Shin Seiki Evangelion e Kazuko Tadano em Sailor Moon alguns dos responsáveis por fazerem tão conhecidos e famosos os personagens destas animações. E por tudo que os Character Designers fizerem e fazem pelas animações, nos sentimos no dever de agradecer e de nunca esquecer do quão importante estas pessoas são para nós que gostamos de anime.

Shotaro Ishinomori


Nascido em 25 de Janeiro de 1938, Shotaro Onodera, também conhecido até 1986, antes de alterar seu nome para Ishinomori, como Shotaro Ishimori é uma das pessoas que mais influenciou e influencia os manga, anime e tokusatsu. Inicialmente seu desejo era ser um romancista, mas dizem que mudou seu interesse para os manga ao conhecer o mestre Osamu Tezuka de quem Shotaro foi assitente por um tempo e sendo isto verdade é mais um motivo para agradecer-mos a Tezuka, pois Shotaro Ishinomori foi um dos mangakas que podemos dizer que marcou não apenas sua geração, mas toda a história do manga. Foi um dos ilustres moradores da pensão Tokiwa-so, que é conhecida por ser moradia de alguns dos mais famosos mangakas da história como por exemplo o já citado Osamu Tezuka e a famosa dupla Fujio Fujiko, criadores de Doraemon.

A arte de Shotaro é inconfundivel, cheia de quadros que mais parecem ter saído de filmes para cinema, além disso sua obra varia de contos infantis a obras mais adultas. O cinema foi um de seus grandes inspiradores, em certos períodos de sua carreira chegou a assistir cerca de mais de 500 filmes por ano, marca que supera seu mestre Osamu Tezuka que chegava a ver 365 filmes por ano (risos). Outra marca em que chegou a superar seu mestre Osamu Tezuka foi a de quantidade de publicações, Shotaro chegou a publicar cerca 700 obras, recorde que chegou a ser reportado no Guiness Book.

Shotaro é o autor de algumas das mais famosas obras de manga já feitas, na ficção científica suas obras Cyborg oo9 e Genma wars são famosas em todo o mundo, esta última é considerada por Katsuhiro Otomo como uma de suas maiores inspirações na criação de Akira. Shotaro também revolucionou a história dos heróis japoneses ao criar Skull Man, obra que posteriormente o inspiraria a criar a famosa série Kamen Rider, uma das séries de manga e tokusatsu mais famosas até hoje. Além disso, ele criou o primeiro sentai, Himitsu Sentai Goranger. Nos anos 90 Shotaro também foi chamado pela Nintendo Power para criar a adaptação em manga do jogo The Legend of Zelda: A link to the Past.

Shotaro foi o mestre de outros famosos mangakas como Go Nagai que é considerado uma referência quando o assunto é manga ou anime de terror e eróticos (não confunda com hentai). Ele é considerado "Rei do Manga" e sua influencia só é considerada inferior a do "Deus do Manga" Osamu Tezuka. Shotaro morreu em 28 de Janeiro de 1998 aos 60 anos devido a complicações cardíacas. E apesar de ele ter-nos deixado, sua obra, suas influências e sua memória vivem e viverá por muitos e muitos anos.

Obrigado por tudo Shotaro Ishinomori!

Por último deixo o link para o texto sobre Shotaro Ishinomori no Wikipédia que é uma fonte bem completa sobre este incrível autor. O link é: http://pt.wikipedia.org/wiki/Shotaro_Ishinomori

Indicação de Anime

Seto no Hanayome


Nagasumi, um colegial da cidade de Saitama viaja junto com sua família a cidade litorânea de Seto e lá ele conhecerá alguém que mudará toda sua vida. Ao entrar no mar, por não saber nadar direito, acaba quase se afogando, mas antes que isto aconteça ele é salvo pela sereia Seto Sun. E isto causa um complicação aos dois, pois Sun é filha do sereio mafioso que é líder da regiagão de Seto e pela tradição das sereias, quando uma sereia se revela a um humano, apenas três escolhas podem ser feitas: a morte do humano, a morte da sereia ou o casamento da sereia com o humano e assim sendo o pai super-protetor de Sun não quer que sua filha se case, nem morra e parte para cima de Nagasumi, no entanto Sun não deseja a morte de Nagasumi que por também não querer ver sua protetora ser morta, decide casar com ela. Além disso, Nagasumi se apaixona verdadeiramente por Sun que aos poucos também corresponderá a este amor. A vida de casado deles não será fácil, pois esconder a verdade sobre Sun de seus amigos, conviver com uma família de mafiosos de outra espécie em que muitos membros preferia vê-lo morto e ainda viver com uma sereia cabeça de vento, não será fácil.

Seto no Hanayome é sem dúvida uma das obras mais engraçadas que já conheci, com um plot diferente de tudo já pensado e com cenas de comédia e personagens que mista a inovação ao clichê se torna uma obra quase que obrigatória para quem curte comédia. O anime é baseado no manga shounen de Tahiko Kimura que continua a ser publicado até hoje na antologia Monthly Gagan Joker. Teve ao todo uma temporada de 26 episódios e 2 OVAs todos a cargo do estúdio Gonzo.

Indicação de Manga

Eensy weensy monster

Este é um manga de Masami Tsuda, a mesma mangaka de Karekano e possui apenas 2 volumes que foram publicados no Brasil pela editora Panini.

Apesar de curto é um manga com uma história bem desenvolvida e bem finalizada. Trata da história da jovem colegial Nanoha que é calma, extrovertida e que se dar bem com todo mundo menos com Renge, o galã de sua escola. Devido a certas circunstâncias Nanoha não consegue gostar de Renge. Na presença deste sua personalidade muda e ela se torna bem agressiva e rude para com ele e isso faz com que ela diga frases que ofensivas a ele, mas que ela não quer dizer na verdade. Nanoha atribui esta mudança de personalidade a existência de um monstrinho que diz viver dentro dela. Monstrinho que tentará domar e, se possível, fazer desaparecer, mas para isso é necessário que ela tente conviver cada vez mais com o catalisador do problema, Renge.

Eensy weensy monster é um mangá shoujo bem bacana e com uma arte muito bonita, além de ter uma linguagem que flui facilmente. É o tipo de mangá bom de se ler quando tem um tempo livre e que por ser curto dar para ler todo de uma vez sem cansar. Recomendo para aqueles que gostam de shoujo e de histórias leves com colegiais.

Por hoje é só pessoal comentem, comentem e comentem. Nos vemos na próxima semana.

domingo, 1 de maio de 2011

Top Japan #1

Boa tarde, amados! Hoje é domingo e é feriado, portanto, a maioria de vocês deve estar em casa curtindo a folguinha, não é? É com muito orgulho que anuncio que, a partir de hoje, em todos os domingos que se seguirão nós teremos o anúncio das votações, enquetes e do Reclame! da semana em questão. É o dia do Top Japan! Para as votações e enquetes, significa que falaremos um pouco sobre as opções vencedoras e para o Reclame! que abriremos um debate em relação ao tema sugerido por vocês e escolhido pela equipe do Aisuru. Todos os domingos nós avaliaremos os resultados e os postaremos aqui para vocês, então não deixem de participar. Todas as enquetes, votações e o espaço do Reclame! estarão sempre na coluna à direita. Vamos aos resultados?

A enquete da semana passada era a seguinte...

O que você mais gosta no/do Japão?

Animes e Mangás
Elementos tradicionais
Culinária
Garotos(as) japoneses


Vocês votaram a nós já temos um resultado. Gostaria de lembrar-lhes que toda semana haverá uma nova votação, que se encerra no domingo em que será postada. Então fiquem atentos para não perder nada, hein? Now, the winner is... digo, a opção mais votada foi...


Animes e mangás! Devo dizer que é uma ótima opção, aliás, todas eram. Difícil escolher uma quando se gosta de todas, né? Mas você sabe o que é anime? E mangá? Quais são os mais recomendados atualmente? O que os torna diferente dos demais?

Anime significa, literalmente, desenho animado, e é usada para denominar as animações feitas no Japão. Uma curiosidade, entretanto, é que a palavra tem significados diferentes no oriente e no ocidente. Para os ocidentais, são as animações feitas NO JAPÃO, enquanto que para os japinhas significa qualquer desenho animado, estrangeiro ou nacional. Animes também podem ser as adaptações animadas dos Mangás, os populares quadrinhos japoneses. Engraçado que o resto do mundo denomina igualmente os dois itens, "quadrinhos" e "desenhos animados", e a Terrinha do Sol Nascente tem uma moral tão grande que tem seus próprios nomes. Não é legal? Mas quais Animes e Mangás estão no topo das vendas no Japão? Observando alguns rankings dos títulos mais vendidos no ano passado, cheguei à conclusão de que os mais populares são...

Animes:

Sazae-san
Chibi Maruko-chan
One Piece
Dragon Ball Kai
Crayon Shin-chan

Mangás:

Fairy Tail
xxxHolic
Ahiru no Sora
Daiya no A (Ace of Diamond)
Bleach

Se você se interessar em mais indicações de animes e mangás, acompanhe a coluna Animangá Mania, do Kyon, aqui mesmo no Aisuru, todas as quartas-feiras. Ele sempre tem ótimas indicações, então não percam!

O Reclame! escolhido essa semana foi o da Pandora, que teve a gentileza de estrear o nosso Top Japan. Gostaria de lembrar a todos que é muito importante que participem do Reclame!, uma ferramenta interativa bastante dinâmica e onde vocês têm a voz. Para participar, basta ir até a coluna à direita e preencher o formulário do Reclame! com algum protesto seu em relação ao Japão. Para facilitar, podemos dizer que funciona como a bancada do Altas Horas. Entenderam? Bom, vamos ao Reclame! dessa semana! Pandora-chan nos disse o seguinte...

Contribuição especial da Mika, que se dispôs a fazer a plaquinha do primeiro Top Japan!

Eu protesto contra o Japão ser um país perfeito e eu não morar nele. Aham. ii#

E ela tem toda razão! Sabem porquê? Além de ser dono de uma cultura milenar e só dele, rica em muita mitologia e folclore, também é um país muito bem estruturado, desenvolvido, e com um padrão de vida lá em cima. Possui todas as estações do ano bem definidas, é palco de diversos espetáculos sem igual e tem toda uma mentalidade própria em relação à maioria das coisas que conhecemos. Sem falar de produzir os animes e mangás que a gente tanto gosta, né? Um país repleto de tradição e mistério, um passado de muitas lutas por liberdade e preservação de algo que era só deles. Porém, é considerado um dos países mais caros de se viver. Isso é bem relativo, já que há uma grande diferença entre morar em Tóquio e no interior, o custo de vida pode sofrer uma variação em ambos os lugares. A tabela seguinte, retirada do site Dicas para Morar no Japão, ilustra o preço das vendas em relação ao Brasil.


( A tabela acima é a referência coletada desde 2002 até hoje. Os valores foram convertidos para o real de acordo com a cotação do dia 6 de janeiro de 2006. )

Ou seja, os valores podem variar bastante de um lugar para o outro! A maioria de nós sonha em ir morar no Japão, mas antes é preciso pensar e ponderar bem o estilo de vida que possivelmente conseguiríamos levar, sem contar com a adaptação à cultura e costumes bastante tradicionais que ainda têm por lá. É um caso a se pensar, não?

E vocês? Acham que vale a pena morar no Japão?

Até a próxima!~

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Kuchisake Onna

Minna-san! Como vão vocês? Bem? Espero que sim. Com um certo atraso (desproposital, garanto) estou inaugurando a coluna Tsuki no Densetsu, AEAEAE! Estarei trazendo para vocês, todas as sextas-feiras, informações sobre as lendas japonesas, que podem se tratar de histórias de horror ou não (embora eu goste muito das aterrorizantes, hihi), e espero que vocês me acompanhem todas as semanas. Gostaria de frizar que dêem uma olhada na nossa enquete mensal e no Reclame!, ambos localizados na coluna à direita. O Reclame!, em especial, é um espaço criado pela nossa equipe para servir como uma espécie de bancada onde você pode jogar um assunto que te indigna e protestar contra ele. Legal, né? Então não deixem de dar uma olhada. Para estrear nossa coluna da maneira mais tchãn resolvi trazer pra vocês um das lendas mais populares do Japão. Quem aqui nunca ouviu falar da Kuchisake Onna? Você não? Então fique por dentro!


Kuchisake Onna (Mulher da Boca Rasgada, em português) é uma das lendas mais populares do folclore japonês. A origem da lenda tem certas controvérsias, pois há diversas versões, todas completamente diferentes, que explicam a razão para a existência da Kuchisake Onna. Algumas contam que foi resultado de uma cirurgia mal sucedida, outras que foi obra de uma irmã invejosa, e outras ainda que ela era mulher de um samurai muito ciumento que, num acesso de fúria, a mutilou para que ninguém mais a achasse bonita. Apesar das divergências quanto à origem, uma coisa é certa: Kuchisake Onna tem a aparência de uma mulher muito bonita, de cabelos negros, e que usa uma máscara cirúrgica ocultando sua boca. Detalhe que, no Japão, é muito comum ver pessoas usando esse tipo de máscara na rua em decorrência das doenças respiratórias que tem por lá em abundância. Diz-se que que ela aparece para alguém na rua e lhe pergunta "Watashi kirei?", que significa "eu sou bonita?", e se a pessoa responde que sim, ela retira a máscara e revela sua boca cortada nas extremidades, indo de orelha à orelha, e indaga em resposta "mesmo assim?". Se a pessoa responde que sim, ela encara como cinismo e então segue o dito cujo até em casa e o mata na porta da residência, com duas enormes tesouras. Se ele responde que não, bem, dá na mesma. Conta-se também que, nesse caso, para fugir da Kuchisake Onna, você precisa dizer "mais ou menos" ao ser indagado se ela é bonita. Enquanto ela pensa no significado dessa resposta, você corre e consegue escapar. Escrever "inu" na mão e mostrar para ela, ou dizer "tofu" também são citadas como formas eficazes de se livrar dela, embora não pareçam ter qualquer nexo. Claro que isso não é totalmente certo de dar certo, mas na hora do desespero, caso tope com ela, não custa tentar, né? Interessante mencionar também que o kanji para bonita é "kirei", muito parecido com o imperativo do verbo cortar, "kire".

Também há dois filmes que foram rodados na época em que a lenda teve maior repercussão. O primeiro, feito em 2007, foi dirigido por Koji Shiraishi e teve como atriz principal a Eriko Sato, com uma aparência um pouco mais velha. O segundo, rodado no ano seguinte (2008), diferentemente do primeiro, conta a história de como a lenda nasceu e como se espalhou por todo o Japão. Ambos são muito bons e eu super recomendo pra quem gosta de um bom filme de terror japonês (que a gente sabe que são os melhores e mais assustadores, né?). Segue abaixo o trailer dos filmes...






E aí, gostaram? Espero que sim! Semana que vem mais uma lenda, hein? Não percam.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

AniManga Mania

Desculpem a demora, mas por motivos pessoais não pude postar ontem, mas estou aqui firme e forte para lhes trazer mais uma postagem do AniManga Mania e nesta segunda edição falarei sobre Antologias de manga, sobre a seiyuu* Hirano Aya, sobre o filme de animação Toki wo Kakeru Shoujo e sobre o manga Kekkaishi. Espero que tenham uma boa leitura e não se esqueçam de deixar seus comentários e sempre que possível acessar a área Reclame!

Antologias de manga parte 1


O mercado das revista de manga ocupa a maior parte das produções literárias japonesas na atualidade e isto ocorre devido não a versões completas de volumes de manga, mas devido as revistas especializadas em oferecer seja semanal, quinzenal, mensal, bimestral ou em uma periodicidade maior uma compilação de inúmeros capítulos de títulos diferentes de manga e estas revistas são as chamadas antologias de manga. Hoje é comum os fãs de manga em todo mundo ouvirem falar nomes como Shounen Jump, Shounen Ace, Ribon, Margaret dentre tantos outros títulos de antologias famosas no Japão.

Cada uma destas revistas, muitas vezes comparadas a grandes listas telefônicas, exibem dezenas de histórias e em geral possuem um sistema rotativo de títulos baseados em questionários de julgamento sobre as séries ali publicadas respondidos pelos leitores. A grande maioria dos manga e até dos anime que conhecemos hoje surgiram nas páginas destas revistas que consagraram muitos autores e que também acabaram com o sonho de tantos outros.

A história das antologias começa alguns anos depois do fim da 2ª guerra mundial e esse tipo de publicação vem se alterando e evoluindo desde então. Tantas foram as revistas já canceladas que marcaram a história, que é difícil comentar cada uma, além disso, o sistema de rotatividade de títulos nem sempre foi como é o citado acima. Hoje em dia, centenas de antologias dos mais diversos gêneros e com as mais diversas periodicidades custanto quase sempre menos que o valor de um tankohon** de uma série são lançadas todos os anos.

A importância das antologias na história dos manga é imensurável, mas para que toda esta importância seja minimamente compreendida apresentarei a história, informações sobre as mais importantes publicações e mais detalhadamente o mercado atual nos próximos textos que sairão quinzenalmente, intercalando com os textos relacionados a animação.

Hirano Aya


Hirano Aya (ou Aya Hirano na disposição ocidental) nascida em 08 de outubro de 1987 é uma das seiyuus* mais famosas da atualidade, começou a dublar anime com 14 anos de idade, tendo como seu primeiro trabalho a personagem Saru no Momo do anime Otogi story tenshi no shippo de abril de 2001. Sua carreira começou a decolar em abril de 2006 ao dublar a personagem Suzumiya Haruhi no anime Suzumiya Haruhi no Yuutsu, sendo que ela também interpretou diversas músicas de sucesso desta série, como as famosas Bouken desho desho e Hare Hare Yuukai. Tanto sua carreira de Seiyuu, como de cantora, como de idol chegaram ao auge depois de Suzumiya Haruhi no Yuutsu.

A fama de Hirano Aya só aumentava a cada novo personagem que dublava, porém houve uma queda de sua imagem de idol desde 2009 que a fez ser conhecida e taxada por muitos como uma pessoa controversa, além disso, não obteve um grande sucesso como cantora nos anos subsequentes a 2006, porém seus trabalhos como seiyuu* continuaram a se destacar.

Em 2010 um caso que fez inflar a fúria dos maníacos fãs japoneses que foi a declaração que deu falando abertamente de seu relacionamento amoroso. Apesar de tal declaração parecer comum a muitas pessoas, principalmente no ocidente, para a grande massa de fervorosos fãs de idols japonesas isto era o retrato do fim da pureza e com isso o fim do retrato da garota perfeita que uma idol representa. Desde então muitas das declarações de Hirano Aya foram consideradas polêmicas, mas as duas declarações de maior impacto da autora remetem ao fim do ano de 2010 quando revelou ter um tumor benigno no cérebro e em março de 2011 quando revelou que por determinação de sua agência não dublaria novas personagens de anime se limitando a dublagem das personagens atuais e de personagens dubladas anteriormente em possíveis sequencias das obras a que pertenciam estas personagens. Todos os fãs dela rogam pelo bem da mesma e para que seja possível a ver dublando muitos e muitos personagens de anime ainda, pois seu excelente trabalho como seiyuu é inquestionável.

Indicação de anime

Toki wo Kakeru Shoujo

O que você faria se ganhasse a habilidade de voltar no tempo? Mokoto Konno é uma garota que devido a certas circunstâncias ganhou esta habilidade. A forma como ela a utilizou e as pessoas que afetou com isto, além da própria mudança de Makoto é nos apresentado neste filme de animação lançado em 2006 que foi produzido pelo estúdio Madhouse. A história é inspirada em uma novel publicada em 1967 por Yasutaka Tsuitsui e que teve duas versões para filme em live action, ambas diferentes entre si e diferentes do filme de animação. A animação foi premiada como melhor longa de 2006 e 2007 em diversos festivais. Pessoalmente acho a história e o desenrolar do filme espetaculares e recomendo fortemente esta animação a todos.

Indicação de Manga

Kekkaishi

Yoshimori Sumimura e Tokine Yukimura são Kekkaishis, pessoas capazes de materializar barreiras espirituais a fim de prender e derrotar ayakashis***. Os dois tem como missão, herdada de suas famílias, proteger a terra sagrada de Karasumori da invasão de ayakashis***. Yoshimori possui um amor platônico por Tokine e desde pequeno se culpa por ter deixado ela sofrer um terrível acidente ao se distrair quando prendia um ayakashi***, além disso, apesar de parecer um desleixado, ele possui grandes metas, mas que para alcançá-las terá que enfrentar inimigos cada vez mais fortes e tentar desvendar o mistério sobre Karasumori.

Kekkaishi é um manga Yelow Watanabe e ainda está em publicação na revista shounen sunday. Considerado por muitos um dos melhores manga shounen da atualidade tem como grande atrativo a mistura do sobrenatural folclórico japonês com o mundo moderno em um história tipicamente shounen, mas que não se foca principalmente nas lutas, mas nos mistérios e relações entre os personagens, apesar de que possui boas sequencias de batalhas, as quais tem grande lado estratégico, afinal não é tão simples assim usar barreiras para combater monstros. Atualmente é publicada no brasil pela editora Panini.

Por hoje é só pessoal comentem, comentem e comentem. Nos vemos na próxima semana.


*Seiyuu - Dublador(a).
**Tankohon - Formato de publicação em que é compilado vários capítulos de uma série. É semelhante aos volumes de manga nacionais.
***Ayakashi - Monstros ou Espíritos monstruosos, quase sempre malignos.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

AniManga Mania

Olá aqui é o Kyon e de agora em diante estarei postando a coluna semanal AniManga Mania aqui no Aisuru. Decidi dividir cada coluna em quatro partes. Na primeira teremos uma parte falando de um tema específico relacionados a Anime (lê-se, Animê) ou Manga (lê-se, Mangá). Na sequência falarei de alguma personalidade do meio. E por último separei as duas partes finais, para comentar e sugerir a apreciação de um Anime e de um Manga. Espero que curtam, acompanhem e comentem sobre os textos desta coluna.

Antes de começar devo lembrá-los da nossa área Reclame! que é um espaço para que falem suas reclamações sobre os assuntos relacionados a cultura Japonesa. Não esqueçam de dar uma passada lá e fazer sua reclamação. E agora sem mais delongas...

Temporadas de Anime

No Japão semanalmente são exibidas dezenas de animações sobre os mais diversos temas, que na maioria das vezes são adaptações de algum manga, light Novel, jogo ou de um história de alguma outra mídia como HQ’s americanas ou Peças de teatro. Estas animações são dividias em temporadas e estas temporadas em geral são conhecidas pela estação do ano em que estão sendo exibidas as séries. Assim sendo teríamos quatro temporadas anuais, de Janeiro a Março temos a temporada de inverno, de Abril a Junho a temporada de Primavera, de Julho a Setembro a temporada de Verão e de Outubro a Dezembro a temporada de Outono. Importante ressaltar que as estações em questão correspondem as estações Japonesas que são inversas as estações brasileiras.

Em média uma temporada de anime dura 13 episódios. Em geral as temporadas de Inverno e Verão são as temporadas que possuem menos lançamentos e a grande maioria destes duram apenas uma temporada, daí em parte o motivo de as temporadas de Primavera e Outono terem mais séries novas. Outra característica interessante é que por serem as temporadas com mais séries, na Primavera e Outono costumas estrear as séries animadas baseadas em mangas e light novels mais famosas, enquanto nas temporadas de Inverno e Verão costumam muitas vezes trazerem séries mais desconhecidas que muitas vezes se mostram grandes e boas surpresas aos fãs de animação, destaco a série Puella Magi Madoka Magica que estreou em janeiro deste ano e conseguiu abocanhar um grande número de fãs ao mostrar uma desconstrução do gênero mahou shoujo.

Atualmente estamos na temporada de Primavera que tem como um dos grandes uma série de histórias bem diferentes do convencional, um grande número de animes baseados em mangás da famosa antologia Shounen Jump e um número menor de séries com um grande teor ecchi (pervertido/erótico) que são comuns nesta temporada, apesar de que séries com este elemento estrearam sim neste mês.

Osamu Dezaki

Osamu Dezaki nascido em 18 de Novembro de 1943. Foi um dos mais famosos diretores de toda a história da animação japonesa. Trabalhou na equipe de Osamu Tezuka para produção do anime de Astro Boy, lançado em 1963 e considerado por muitos a primeira série de animação japonesa para TV. Foi diretor de clássicos como Ashita no Joe baseado no mangá de Asao Takamori e Tetsuya Chiba, Cobra baseado na obra Buichi Terasawa, Ace o Nerae baseado na obra de Sumika Yamamoto, A Rosa de Versailles (Vesailles no Bara) e Oniisama E... ambos baseado nas obras de Ryoko Ikeda.

Dezaki foi o criador de técnicas de animação que são utilizadas até hoje como Postcard Memories (congelar a cena em um frame e preservar o traço, mas substituir por uma imagem pintada), telas partidas, efeitos de luz incidente na célula de animação, cenas repetidas para causar impacto. Dezaki também era famoso por desenhar os storyboards das séries que dirigiu pelo seu jeito peculiar de tratar cada história, as vezes a diferenciando da original e também é considerado um pouco machista em suas obras, apesar disse as adaptações para animação de A Rosa de Versailles, Oniisama E... e Ace o Nerae, ambas obras shoujo são consideradas brilhantes.

Osamu Dezaki faleceu no dia 17 de abril de 2011 (a 3 dias), o último anime em que trabalhou foi Genji Monogatari Sennenki de 2009. Dezaki sem dúvida foi um dos protagonistas mais destacáveis, interessantes e louváveis da história das animações Japonesas e será lembrado por muitos e muitos anos. Você pode ver em que obras Dezaki trabalhou clicando aqui.

Indicação de Anime

Michiko to Hatchin

Uma linda e destemida garota foge, enquanto uma orfã é molestada pela família de um padre que a adotou, mas quando seus caminhos se cruzam começa uma aventura sem precedentes. O destaque deste anime, além das heroínas, é o fato dos cenários dele serem inspirado em cidades de países latinos em especial o Brasil. Aliás em várias cenas é possível ver textos em português e algumas, as mais belas, músicas internas são cantadas em português num estilo que me lembra a bossa nova. O anime é divertido e emocionante, além de bem realista no que se diz respeito ao mostrar o poder dos traficantes, e tem também um pouco da corrupção na polícia. Ele mostra muito o lado pobre das cidades latinas em especial as favelas, mas ele destaca bem que as pessoas, que mesmo passando por dificuldades, conseguem se divertir e ter momentos felizes. Nele há uma junção de sensualidade e retrato social com algumas cenas cômicas e aventura.

Indicação de Manga

Honey & Clover

Um jovem tímido e facilmente influenciável, um jovem trabalhador e com um amor platônico, um jovem impulsivo e irresponsável, uma jovem bonita, energética e incorrespondida no amor e uma jovem pequena, tímida, mas com uma sensibilidade artística encantadora. Em Honey & Clover a mangaka Chika Umino conta a história deste grupo de universitários que viverão situações divertidas, cômicas, tristes, românticas e difíceis. Conheceram amores impossíveis, passaram por situações incomuns, viverão as mais diversas experiências que marcaram toda a sua vida. Um grupo de protagonistas carismáticos e uma série de coadjuvantes tão carismáticos quanto os protagonistas. Honey & Clover é um Josei que diverte, empolga, emociona e faz pensar nas pequenas coisas que fazem da vida de cada um, uma história única e espetacular. Além da bela história, a versão brasileira do mangá oferece extras super divertidos, escritos pela autora, que se considera uma grande otaku. Uma obra recomendada a adolescentes e adultos entre 16 e 30 anos, mas que pode divertir pessoas de outras faixas etárias e de ambos os sexos.

Por hoje é só pessoal, comentem, comentem e comentem, fico no aguardo de suas palavras e até a próxima!